Amiguinhos

Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 19 de julho de 2010

♥ Só para bebés...

Se o seu bebé deixou de ser recém-nascido, se ele já percebeu que há nesta vida coisas interessantes e engraçadas e outras aborrecidas e chatas, se ele já gosta de sorrir e de experimentar uma boa gargalhada, então está mais do que na altura de diversificar as suas experiências. Há umas quantas coisas que deve marcar na agenda para fazerem juntos antes de ele completar um ano de vida.

É claro que, mais tarde, o seu filho há-de repetir muitos destes programas, mas experimentá-los pela primeira vez quando ainda se é bebé de colo, é diferente de passar por eles quando já se foge do pai e a da mãe. Por isso, em defesa dos bebés, sugerimos aos pais que não se esqueçam de:

Fazer massagens


O contacto pele com pele, o toque das mãos da mãe e do pai, tem uma importância vital para um bebé. As massagens são uma forma de tocar que tem inúmeros benefícios, a todos os níveis, inclusive na promoção da vinculação. A Associação Internacional de Massagem Infantil propõe um programa baseado nos princípios da massagem indiana (shantala), da reflexologia e da massagem sueca. Um conjunto de movimentos que pode aprender em inúmeros centros por todo o país (para procurar técnicos credenciados pela Associação Portuguesa de Massagem Infantil e descobrir mais sobre o que as massagens podem fazer pelo seu bebé, vá a www.apmi.org.pt).


As massagens podem tornar-se uma rotina ou um mimo para momentos especiais. A verdade é que aproximam pais e filhos e são um investimento. Não tarda o seu filho também fará massagens aos pais.

Tomar banho com o bebé


Juntar-se ao bebé na banheira é criar mais um espaço e um tempo privilegiado de contacto pele com pele. É claro que não é um programa para fazer com um recém-nascido, mas a partir de certa altura é um prazer para pais e filhos. Vão sentir-se mais próximos da natureza, do seu corpo e do deles, sem fechos, molas e mangas a estabelecer fronteiras e com a água como relaxante natural. Para um bebé que adora o banho, imagine o bem-estar redobrado que irá sentir por poder estar ao colo da mãe ou do pai ao mesmo tempo. Para os que não gostam tanto desse momento, pode até ser uma forma de descobrirem como é bom sentir a água na pele.

Contar histórias, descobrir os livros


Nunca é cedo demais para começar a contar histórias ao seu bebé. Mas a partir de certa altura pode e deve mostrar-lhe livros, contar-lhe o que se passa a cada página, deixá-lo folhear, explorar, mesmo arriscando estragar. Há livros próprios para bebés, mais resistentes e até apropriados para quem não resiste a morder um cantinho. Se os livros fizerem, desde cedo, parte do seu mundo, não tarda será o bebé a pedir esta ou aquela história. E ouvi-la da boca do pai ou da mãe é um prazer único.

Passear num parque natural


Ir todos os dias ao jardim do bairro é bom. Mas não deixe de dar ao seu bebé, uma vez por outra, o prazer de passear no meio da natureza em estado bruto. Fazer uma caminhada com ele no canguru (no pano ou no sling) ou no carrinho TT dependendo do percurso e da distância é dar-lhe cheiros, cores e oxigénio que não existem em mais sítio nenhum. Ouvir o silêncio ou a banda sonora dos pássaros, estando deitado numa manta a ver as copas das árvores é melhor do que ter qualquer caixinha de música ou qualquer mobile. Sobretudo quanto se está como o pai e com a mãe.

Ir à praia
Tão especial como a sombra de um bosque é o horizonte no mar. Os bebés têm essa noção e costumam ficar maravilhados. Pôr as mãos na areia, sentir as ondas do mar nos pés são descobertas únicas e estimulantes. Às vezes até demais. Não é aconselhável estar muito tempo na praia com um bebé e não devemos expô-lo ao sol nos primeiros meses, seja a que horas for.
Como em tudo, é preciso bom senso. Ou seja, ir embora antes de o cansaço ser demasiado. E claro, tão importante como estar pouco tempo, é estar só ao princípio da manhã ou ao fim da tarde.

Descobrir os animais


Os cães e os gatos domésticos podem tornar-se verdadeiros amigos de um bebé. Mas poder ver outros animais - um cavalo, uma vaca, uma galinha - são experiências que todos os bebés adoram. Sobretudo porque já os conhecem das histórias. Nos livros, a dimensão passa um pouco ao lado, tal como o toque, o movimento, os sons. Por isso, um passeio numa quinta pedagógica, para quem não tem amigos ou família no campo, é um excelente programa para pais e bebés. Fazer uma festa ao cavalo, dar pão aos patos, ouvir a vaca mugir pode ser uma verdadeira festa.

Sujar-se


Esqueça os preconceitos demasiado higiénicos e deixe o bebé sujar-se à vontade. Mexer na terra, cair na relva, enterrar os pés na areia são actividades que implicam alguma sujidade, é um facto. Mas esta é uma sujidade saudável: o bebé não vai ficar doente, (pelo contrário, pode ficar mais resistente) e vai seguramente ficar feliz por poder explorar o mundo. Depois da aventura, não há nada que um bom banho não resolva.

Comer com as mãos


É normal que o bebé queira experimentar a textura dos alimentos, para além do seu sabor. No último trimestre do primeiro ano de vida, é saudável deixá-lo comer certas coisas com as suas próprias mãos. É uma forma de estimular a coordenação, o prazer de comer e a mastigação, muito importante nesta fase. Pão, bolachas, fruta cortada aos pedaços, massinhas e bocadinhos de queijo são bons alimentos para o bebé comer sem ajuda.


Não se preocupe demasiado com a sujidade. Nesta fase, é normal que alguma comida caia em locais bastante distantes do estômago do seu filho. Incentive-o também a comer com a colher. Quanto mais cedo começar a treinar, melhor.

Cantar e dançar


Nunca é cedo demais para começar a iniciar o seu bebé nos prazeres da música. Além de o deixar ouvir discos os preferidos dos pais e outros que considere serem do agrado dele - cante-lhe enquanto lhe muda a fralda, dance com ele, rebolem no chão. Lengalengas são também estimulantes do ponto de vista do ritmo e da linguagem. Mesmo que ache que canta mal, para o seu bebé será sempre melhor ouvir a voz do pai e da mãe do que a do melhor intérprete. Use e abuse da música, das cantigas da sua infância, das palmas, do movimento.

Ir à piscina


São imensas as vantagens de um programa de adaptação ao meio aquático. Se puder inscrever-se com o seu bebé numa piscina preparada para o efeito a água deve ter um tratamento especial, estar a uma temperatura adequada, ter um instrutor com formação específica ele irá adorar. A ideia não é ensiná-lo a nadar nem fazer dele uma atracção para a família porque aprendeu inúmeras habilidades. A ideia é ter um tempo e um espaço em que pais e bebé estão verdadeiramente juntos, num ambiente estimulante, promovendo o seu desenvolvimento motor, competências sociais, inteligência e, claro, oferecendo-lhe muita diversão.




0 comentários:

 

Blog Template by YummyLolly.com